Translate

4 de set de 2011

Coré Etuba - A lenda da Gralha Azul

Gente.... este realmente foi um grande evento. Eu nunca tinha ido em nenhum para estabelecer um parâmetro, mas tenho lido comentarios de pessoas que estiveram em muitos outros que estao comparando a eventos internacionais, como li no face da Tia Lili. Realmente, o local tem uma estrutura excelente, dentro do campus da universidade positivo. Muito moderno.  Na entrada uma linda exposição, com releitura das obras do artista Cândido Portinari em patchwork com a curadoria de Ciça Mora, onde nao foi permitido realizar fotos, mas digna de museu, o que deixo como uma sugestão para os organizadores, uma extenção desta mostra quem sabe no museu do olho, onde muito mais gente teria acesso. E também deixo uma sugestão para o café, não fritem bacon e contratem mais funcionarios, teria adorado permanecer neste espaço!

Como anunciei, eu participei do concurso promovido e hoje vou apresentar meu trabalho.
Como o tema proposto são impressões sobre Curitiba iniciei dando buscas em imagens que encontrava pela internet para buscar inspiração, vou coloca-las por aqui pedindo perdão por não ter anotado os locais e não fazer os créditos devidos nas fotos, o que farei com satisfação caso o autor a veja por aqui.
Geada



Calçamento em Curitiba



Araucaria

Gralha azul

Pinhão

Pinha de araucária
Entre tantas imagens lindas, selecionei algumas que me falavam no coração sobre Curitiba, e foi tomando forma a idéia de utilizar algo folclorico, uma cena que remetesse a Curitiba das minhas recordações e fizesse uma ligação com algo que todos compartilham, como a calçada com a rosácea da pinha. Curitiba já foi chamada Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, onde encontramos também uma lenda indígena, mas resolvi pela origem do nome Curitiba, que vem do Tupi - Coré Etuba, que significa muito pinhão.
Comecei esboçando no papel minhas cenas a serem selecionadas, e me resolvi por fazer blocos, ainda meio em dúvida aonde poderia chegar no final, realmente não tinha menor idéia de chegar naquele resultado final, e pensava até em fazer painéis menores e separados, adiantando o trabalho cheguei ao painel triptico.

No início pensava em fazer uma alusão ao trabalho de marchetaria, onde é muito comum retratar estas paisagens com araucárias, e são muito comuns em lojas de lembranças de Curitiba.
Este é o início que foi descartado, quando optei por juntar as tres imagens e não gostei do efeito apagado entre cores fortes, este trabalho ainda espera finalização, e vai me render um mini quilt, certamente.

Aqui minha gralha azul vai tomando forma, esta luz no tecido de estampa Debbie Mun ajudou muito a iniciar esta composição, estes azuis foram pensados muito tempo antes, e fiz a escolha pela internet já calculando isto.
Minha maior dificuldade foi fazer o foundation da pinha. Eu achava que era simples quando imaginava, na hora de desenhar o grafico bati muito a cabeça para conseguir ajeitar principalmente as separações entre o pinhão e o cabinho. Ao juntar as fatias também houve desencontros, mas considerando que foi meu primeiro gráfico foundation original, acho que venci um desafio. Para disfarçar uma junção não muito feliz descaradamente e muito esperta eu acrescentei um miolo na pinha, com um coraçãozinho perfeito de um dos tecidos. Se eu não contasse toda a verdade vocês jamais saberiam, mas acho legal desmistificar as coisas, rs.

E assim fui chegando ao resultado final, uma sequência aqui:
"Gralha azul é o nome dado a uma linda ave que motivou no Paraná, a tradição de plantadores de pinheiros, enterrando as sementes com a ponta mais fina para cima e devorando a cabeça, que seria a parte apodrecida. Não deve ser abatida e é comumente respeitada pelo povo como ave protetora dos pinheirais."

Uma pena não conseguir com a camera que tenho obter detalhes do quilt, muito miúdo. Basicamente utilizei o looping e pebbles.

A modéstia que me parta, mas eu fui muito feliz  quando selecionei estes tecidos pela internet. Tudo remete a floresta, pinhas, madeira, mata.

Para o verso resolvi não deixar aparente o quilt, apesar de ter tentado, kkkkk.
Este tecido é sarja, o que deu uma estrutura bem legal, e peso para o painel assentar na parede.


"Conta a lenda que, uma certa gralha negra, dormia num galho de pinheiro e foi acordada pelo som dos golpes de um machado. Assustada, voou para as nuvens, para não presenciar a cena do extermínio do pinheiro. Lá no céu, ouviu uma voz pedindo para que ela retornasse para os pinheirais, pois assim ela seria vestida de azul celeste e passaria a plantar pinheiros. A gralha aceitou então a missão e foi totalmente coberta por penas azuis, exceto ao redor da cabeça, onde permaneceu o preto dos corvídeos. Retornou então aos pinheirais e passou a espalhar a semente da araucária, conforme o desejo divino. Esta lenda na verdade é um fato real. A Gralha-azul tem o hábito de enterrar pinhões. Após encontrar o local correto, ela pressiona-o a entrar, dando-lhe golpes com o bico, até a completa introdução. Não contente com isso, ainda coloca algum material das redondezas como folhas, pedras ou galhos em cima do local remexido, de forma a camuflar ou disfarçar o feito realizado. "
Casas de madeira eram muito comuns em toda região. Claro, muita madeira boa dizimada....

Este tecido do pinhão foi uma benção, e olha que está na caixa dos tecidos  desde os primordios do meu patchwork, a um ano atras.


Primeira vez que faço uma etiqueta sobre algum trabalho. É muito comum, na verdade uma tradição das quilteiras, datarem assinarem e também descreverem detalhes sobre seus trabalhos, colchas, contarem para gerações futuras algo sobre os tecidos, historias da familia, historias patrioticas, etc.

Mini pebbles, quilt a maquina com linha sylko multicolorida

Clicando nas fotos, ela se abre em outra janela, onde pode-se olhar um pouco melhor algum detalhe.


Os pinhões não foram quiltados, tem um efeito almofadinha.

Pena não conseguir mostrar de acordo este quilt do passaro, eu realmente me esforcei!

Esta lenda realmente é muito linda. Uma pena que muitos curitibanos, assim como eu que me sinto curitibana de alma, só observaram a pobre gralha azul no Passeio Publico, enjaulada. Uma pena que cenas campestres com muitas araucárias, que viamos muito próximo da área urbana, em pequenas chácaras ao redor, hoje viraram quadras com terrenos dizimados em sobrados emendados um ao lado do outro sem perdão a mata nativa. O pinheiro iniciou todo ciclo de desenvolvimento do Paraná, durante o ciclo do pinho.  Hoje o corte da araucária está proibido existem tentativas de reflorestamento, foi o preço pago pelo progresso, a redução de 95% de nossas araucárias,  permitindo construção de ferrovias o que permitiu também a colonização do Paraná.

O painel está inscrito no concurso que será julgado pelos visitantes da feira. (que se encerra hoje)
Eu encontrei o local dentro da feira, mas confesso que achei meio escondido e a todos que perguntava, nos outros boxes, ninguem sabia onde estavam os trabalhos do concurso. Espero que muita gente tenha visto e votado, independente do resultado.

Agora é só esperar para ver o resultado.
Acho que nunca tinha postado tanta foto junto, praticamente uma historia em quadrinhos, rs.

8 comentários:

  1. Lindo o teu trabalho!Uma bonita homenagem á natureza paranaense.
    bjs
    Renate

    ResponderExcluir
  2. Claudia, teu trabalho ficou muito bonito e a história é mais linda ainda.
    Eu conheço Curitiba, morei 2 anos lá, e esta paisagem sempre me encantou, isto foi há 37 anos, então ainda haviam muitas Araucárias.
    Você sabe que estou torcendo muito, apesar de que o resultado pode não fazer juz ao teu talento, mas o importante foi você ter vencido a batalha e conseguido fazer e expor o painel.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Amigaaaa,

    que trabalho DIVINO!!!
    Nossa, estou te devendo uma SUPER visita e um MEGA email. Tenho tanto para contar. Me dá até arrepio de pensar no tamanho da mensagem... rsrsrsrs.
    Ainda te amo... PRE SEMPRE!!!
    Bjs carinhosos,
    Mari

    ResponderExcluir
  4. Menina, que post interessante!!! Tanto a história quanto a tua intenção no fazer do quilt está maravilhosa. Voce realmente faz um trabalho a fundo.
    No próximo ano voce com certeza vai ser a vencedora do concurso! Bom trabalho!
    bj
    Uvi

    ResponderExcluir
  5. Hi! Greetings from Finland! Very nice photos! I hope to see one day. Your quilts are also lovely! Have a nice day!

    ResponderExcluir
  6. Ola minha flor,
    depois de uma longa viagem voltamos pra casa e assim aqui estamos pra curtir os seus lindos trabalhos .Muita boa sorte no concurso e tenha uma linda semana.Mil beijinhos.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns Cláudia! seu trabalho é divino!
    Sou orgulhosamente curitibana e estas imagens me fizeram voltar no tempo ... um tempo onde a gente ia "para o mato" juntar os pinhões caídos para depois colocá-los na chapa do fogão a lenha. Não faltavam pinheiros ...
    Bem, sucesso para você.

    ResponderExcluir
  8. Que lindo!!!!!!!!!! Você é muito inspirada!!! e vai fundo no assunto. Seu trabalho ficou divino, mas me conte como foi o resultado da votação? Sabe que eu não coloco nada por isso, a divulgação deixa muito a desejar nessas horas. E um Trabalho como esse deveria ser apreciado de perto.

    ResponderExcluir

Você não vai me deixar falando sozinha, vai?